Deviation Actions

Guiler-717's avatar

The Legend of the Five Suns

Published:
By
3 Comments
3K Views
(versão em português BR abaixo)

This is the final version for the cover of one of my most ambitious graphic projects yet!
I clearly haven't been active around here for a while (BTW, this is my 500th deviation!). Last year I've been working too hard on a project that is basically an hybrid between an adaptation of and my own take on the Legend of the Five Suns. It's close to the real stuff, but isn't by any means a definitive version of the nahua myth. This 140 pages comic book was completely written, designed, drawn, colored and diagrammed by me. It's also the central part of my work to finish my graduation on Graphic Design by UTFPR, in Curitiba, Brazil. It was done with my own resources and time, and is the fruit of a long research and labor.

On the cover, some of you may notice the five sun-gods (one of them, actually, a goddess): Tezcatlipoca (upper right), Quetzalcoatl (upper left), Tonatiuh (center), Tlaloc (lower left) and Chalchiuhtlicue (lower right). There's also Cipactli, beneath them, and above there's a symbol representing the Ocelotl (jaguar, on the left) and the Xiuhcoatl (Fire Serpent, or Turquoise serpent, on the right). If you don't know yet, this isn't my first graphic project or illustration within the thematic boundaries of the pre-hispanic Mexica Cosmology. Actually, there's more than a couple of them which you can check here. It's also a major influence for my original story project.

THE LEGEND OF THE FIVE SUNS
The Legend of the Five Suns is one of the most important written accounts of a pre-hispanic nahua cosmological narrative. There are two known written versions of the legend, one which is generally included in the Codex Chimalpopoca, an early post-invasion document which authorship is sometimes attributed to Fernando de Alva Cortés Ixtlilxochitl (or, rather than the author, he may have been its' copyist). The other is part of the Historia de los Mexicanos por sus pinturas ("History of the Mexicans as told by their paintings"), from the 1530s, attributed to the Franciscan friar Andrés de Olmos. Both versions have some similarities and differences, but may come from a single source, and depict well known deities and concepts from the nahua cosmology and philosophy, some of these elements, also partially shared with distinct pre-hispanic mesoamerican populations (like the Ñuù Savì, or Mixteca, who also share the same graphic style in their amoxtin, or books). This legend describes the creation of the world and the destruction & renewal of each epoch, when a different teotl, or god, has "ruled" creation as the sun. Each era and it's people had faced a major catastrophe which cast the world in a lasting darkness before a new god took the role of the sun. This is deeply associated with the nahua philosophy and also morality, in which battle, self-sacrifice and discipline are important traits which keep the world running, and prevent its' destruction by the darkness. It also deals with the nahua perception of time and reality as cyclical phenomena. This is also partially shared with even older Mesoamerican cultures, like the Maya, and is materialized in the count of days worked by the Tonalpohualli ("Count of Days", the 260-days calendar) and the Xiuhpohualli ("Count of Years", the 360+5 days festival calendar), and also described in the pre-hispanic tonalamoxtin ("Book(s) of days", divinatory almanacs which associated different days, numbers or groups of days to different deities and attributed to each different characteristics).

    In this comic, which is a deliberate adaptation of the legend, I sought to bridge both versions of the Leyenda de los Soles, and also decided to add some elements from other traditional Nahua accounts not directly associated with the legend, like the myth of the creation of Octli ("Pulque", the alcoholic beverage made with the Maguey, or Agave plant) and the legend of the Volcanoes Popocatepetl and Iztaccihuatl. What's more, I also sought to associate each era, or each sun, with a distinct period of the historical Mesoamerican chronology, whereas the First Sun, Ocelotl Tonatiuh ("Jaguar Sun"), despite inhabited by Quinametzin ("giants"), has a civilization visually inspired by the Olmec and other pre-classic or Formative influences. The Second Sun, Ehecatl Tonatiuh ("Wind Sun"), for example, has influences from the Classic Period, mostly focused on Central Mexico (Teotihuacan), the Third Sun, Quiahuitl Tonatiuh ("Rain Sun"), has influences of the "Toltec" culture (Tollan-Xicocotitlán, in nowadays State of Hidalgo) and so on. Besides that, I also added some original subplots intertwined with the main story to display some more nahua culture subjects which aren't directly made explicit in the original legend, like the cosmography in nahua tought, the four cardinal points, the thirteen heavens, the nine plains of Mictlán (the Underworld), the three vital energies (Tonalli, Teyolia and Ihíyotl), and to explain the different fates of warriors who died in combat, women who died in childbirth, and people who died drowning. It also has some epilogues, one of them dedicated to the birth of Huitzilopochtli, and hinting the story of Mexico's foundation (which I may adapt into a comic book, the sequel of this one, if it goes right. As an independent artist, I can only say it will take a lot of time!). Huitzilopochtli is a 100% Mexica deity, and sometimes he has been regarded as the Fifth Sun, a position that has been atributted to Nanahuatzin/Tonatiuh by the nahua peoples. So I chose to make some ambiguous decisions in the epilogue to explain why and how he got that title, which is primarily his political importance to the altepetl (city) of Tenochtitlán (nowadays Mexico City), the capital of the Mexica and the ruling power of the Excan Tlahtoloyan (Triple Alliance, between the Mexica of Tenochtitlán, the Acolhua of Texcoco and the Tepaneca of Tlacopan).
    That said, there are several different nahua accounts for these themes, some of them contradicting others. So after a long research, while writing the preliminary script, I had to make some decisions and pick up one version over another, and keep it as faithful to the source material as possible, while also adding my own graphic language, or graphic and narrative styles into it. Naturally, because it deals with nahua cosmology, it also deals with some philosophical questionings, the role of sacrifice and renovation, and even the worthiness of life. Because it's not only focused on the teteoh ("gods", in some cases, "ancestors", it means something rather unexplainable and powerful), but also on mortals - a choice which I made, so that this comic book isn't all about fantasy, and has some pretty real and relatable stuff - there are themes here which range from political decisions to existential matters, like the worthiness of preserving life's cycles. This is as much about the pre-hispanic Mesoamerican (mostly nahua, Central Mexican, especially Mexica, but there are slight references to the Hñahnú "Otomi", Purepécha, K'iché Maya here and there) cosmology and philosophy as it's about humankind, so no matter the time it came from, it still speak to each and everyone of us.
    On top of that, sure, this work deals with some culturally sensitive matters, such as the ever-present bloodshed, violence and the ritualistic human sacrifice, which plays a major role in this story and also in society. I've tried to depict warfare here not as something toned down, but not as something vilified, either.

The Legend of the Five Suns may be one of the most well known chapters of Nahua and Mexica mythology, as it has been adapted into a series of different media. This comic here isn't a pioneer in that sense, however, as stated before, it's not just an adaptation of the myth, but an original story which don't deviate from the essential source material, and is more a dive into the pre-hispanic nahua thought and world rather than an alienated narrative. Sometimes it's even quite didatic!
    I won't say too much more than that, because I still have to study the best opportunity to get it published, and if I manage to do that, some of you may have the chance to see for yourselves what I'm talking about!

Currently, this project is available only in Brazilian portuguese language. But if there's enough interest and support, I really plan to translate it at least to spanish and english. I have printed only one sample yet, and I'm still evaluating ways to publish it - my financial resources are limited, you see. Hopefully, I will manage to do it next year. The problem here (Brazil, or at least its' southern part) is that there's not enough support for this kind of work (both because of its' theme - unfortunately still deemed as "exotic" - and because of its' length) among comic publishers.

So, I hope you like it as much as I did producing it!
And don't forget to follow and share my work at:

Behance | Instagram | Facebook | Twitter




(Pt-BR) Essa é a versão final da ilustração da capa de um dos meus projetos gráficos mais ambiciosos!
Certamente eu estive pouco ativo por aqui há um tempo. Esse ano estive trabalhando bastante em um projeto que é basicamente um híbrido entre uma adaptação e uma versão original da Lenda dos Cinco Sóis para quadrinhos. Ela se aproxima do material original, mas não é uma versão definitiva do mito nahua. Essa história em quadrinhos de 140 páginas foi completamente escrita, planejada, desenvolvida, desenhada, colorida e diagramada por mim. Ela é também a parte central do meu trabalho de conclusão de curso em Design Gráfico pela UTFPR em Curitiba, Brasil. Foi feita de forma independente, com meu próprio tempo e recursos, e é fruto de um longo trabalho e pesquisa!

Na capa, vocês devem perceber alguns dos deuses-sóis (um deles, na verdade, é uma deusa): Tezcatlipoca (canto superior direito), Quetzalcoatl (canto superior esquerdo), Tonatiuh (centro), Tlaloc (canto inferior esquerdo) e Chalchiuhtlicue (canto inferior direito). Também tem a Cipactli, debaixo deles, e acima, nos cantos do título, tem um símbolo representando o Ocelotl (jaguar, na esquerda) e a Xiuhcoatl (Serpent de fogo, ou serpente de turquesa, na direita). Caso ainda não saiba, esse não é o meu primeiro projeto gráfico ou ilustração dentro do tema de Cosmologia pré-hispânica Mexica. Na verdade, existem muitos deles, que você pode conhecer aqui. Essa também é uma das maiores influências das minhas histórias originais.

A LENDA DOS CINCO SÓIS
A Lenda dos Cinco Sóis é um dos mais importantes registros em escrito da narrativa cosmológica nahua pré-hispânica. Existem duas versões escritas da lenda, uma geralmente incluida nas traduções do Códice Chimalpopoca, um documento do início do período pós-invasão de autoria hipoteticamente atribuída a Fernando de Alva Cortés Ixtlilxochitl (que em vez de autor pode ter sido seu copista). A outra é parte do Historia de los Mexicanos por sus pinturas, dos anos 1530s, atribuida ao frade Andrés de Olmos. Ambas as versões possuem semelhanças e divergências, mas possivelmente derivam de uma única fonte anterior, e apresentam divindades e conceitos bem reconhecíveis da filosofia e cosmologia nahua, alguns deles parcialmente compartilhados com distintas populações pré-hispânicas mesoamericanas (como os Ñuù Savì, ou Mixteca, que também usavam o mesmo estilo gráfico nos seus amoxtin, ou "livros"). Essa lenda descreve a criação do mundo e a destruição e renovação de cada época, quando um teotl, ou deus diferente, passou a "governar" a criação como o Sol de sua era. Cada era e sua população tiveram de encarar uma grande catástrofe que colocaria o mundo sob uma grande escuridão até que um deus seguinte tomasse o papel do Sol. Essa narrativa está profundamente associada com a filosofia e moralidade nahuas, na qual a batalha, disciplina e autossacrifício são traços importantes que mantém o mundo, ou a criação, existindo, e impedem sua destruição pelas forças da escuridão. Ela também lida com a percepção nahua de que o tempo e a realidade são fenômenos cíclicos. Essa característica é compartilhada com outras culturas Mesoamericanas mais antigas, como os Maias, e se materializa na contagem dos dias do Tonalpohualli ("Contagem dos dias", o calendário adivinhatório de 260 dias) e o Xiuhpohualli ("Contagem dos anos", o calendário agrícola/festival de 360+5 dias), também descrito nos tonalamoxtin ("Livro(s) dos dias", almanaques adivinhatórios que associavam diferentes dias, números ou grupos de dias a diferentes divindades e atribuía a cada características diferentes) pré-hispânicos.

    Nessa HQ, que é uma adaptação deliberada da lenda, eu busquei conciliar elementos de ambas as versões da Leyenda de los Soles, e também decidi adicionar elementos de outros contos tradicionais nahuas não diretamente associados à lenda, como o mito da criação da Octli ("Pulque", a bebida alcoólica feita com a planta Maguey, ou Agave) e a lenda dos vulcões Popocatepetl e Iztaccihuatl do México Central. Além disso, também busquei associar cada era, ou cada sol, a um período distinto da cronologia Mesoamericana histórica, onde o Primeiro Sol, Ocelotl Tonatiuh ("Sol Jaguar"), por mais que habitado pelos Quinametzin ("gigantes"), seja habitado por uma civilização visualmente inspirada nos Olmecas e outras culturas to período pré-Clássico ou Formativo. O Segundo Sol, Ehecatl Tonatiuh ("Sol do Vento"), por exemplo, tem influências do período Clássico, mais focado em culturas do México Central (ex. Teotihuacan), o Terceiro Sol, Quiahuitl Tonatiuh ("Sol da Chuva"), tem influências da cultura "Tolteca" (de Tollan-Xicocotitlán, hoje em dia no Estado de Hidalgo) e daí em diante.
    Além disso, também criei algumas subnarrativas entrelaçadas com a história principal para introduzir mais assuntos cotidianos da cultura nahua pré-hispânica que não estão diretamente explícitos no material de referência, as versões escritas da lenda - como a cosmografia, ou organização do mundo geográfico no pensamento nahua, os quatro pontos cardeais, os treze céus, as nove planícies de Mictlán (o Submundo), as três energias vitais (Tonalli, Teyolia e Ihíyotl), e busquei explicar os diferentes destinos de guerreiros mortos em combate, mulheres mortas no parto, e pessoas mortas afogadas. A história também tem alguns epílogos, um deles dedicado ao nascimento de Huitzilopochtli, e introduzindo ou insinuando sua relação com o conto fundacional do México (um conto que eu ainda quero adaptar nos quadrinhos, como uma continuação desse, se tudo der certo. Mas como um artista independente, eu só posso dizer que se essa continuação vier a ser, ainda vai demorar muito tempo para produzi-la!). Huitzilopochtli é um deus 100% Mexica, e é considerado ás vezes o próprio Quinto Sol, uma posição atribuída simultaneamente a Nanahuatzin/Tonatiuh pelos povos nahuas. Então eu escolhi fazer algumas decisões ambíguas no epílogo para explicar como e porquê ele passou a compartilhar esse título, o que se deve principalmente pela sua importância política para a altepetl (cidade) de Tenochtitlán (hoje Cidade do México), a capital dos Mexicas e o poder soberano da Excan Tlahtoloyan (Tripla Aliança, entre os Mexicas de Tenochtitlán, os Acolhuas de Texcoco e os Tepanecas de Tlacopan).
    Dito isso, existem diferentes versões nahuas desses contos, algumas delas contradizendo as outras. Então após uma longa pesquisa, durante a escrita do roteiro preliminar, eu tive de realizar algumas decisões e escolher uma versão sobre a outra, tentando manter a história mais fiel possível ao material de referência, e ao mesmo tempo usando meu estilo gráfico e narrativo próprio para contá-la. Naturalmente, por que essa história lida com a cosmologia nahua, ela também lida com questionamentos filosóficos, o papel do sacrifício e renovação, e até mesmo a validade da vida. Por quê ela não se foca somente nos teteoh ("deuses", em alguns casos, "ancestrais", significa algo inexplicável e poderoso), mas também nos mortais - uma escolha que fiz para enriquecer seu conteúdo, como esse quadrinho não é só sobre fantasia, e aborda temas bastantes relatáveis - existem elementos que variam de decisões políticas a questões existenciais, como a preservação dos ciclos da vida. Se trata tanto da filosofia e cosmologia Mesoamericana pré-hispânica (sobretudo nahua, do México Central, especialmente Mexica, mas também apresenta algumas referências ás culturas Hñahnú "Otomi", Purepécha, Maia K'iché) quanto da humanidade em geral, independente do tempo de que surgiu, essa história dialoga com cada um de nós.
    Acima de tudo, claro, esse trabalho lida com alguns temas culturalmente sensíveis, como o pertinente derramamento de sangue, a violência e o sacrifício humano ritualístico, que desempenha um papel importante nessa história e também na sociedade. Eu busquei representar o combate de uma forma não atenuada, mas também não vilificada.

A lenda dos Cinco Sóis deve ser um dos mais conhecidos capítulos da mitologia Nahua/Mexica, e foi adaptada em diferentes mídias. Essa história em quadrinhos não é um trabalho pioneiro nesse sentido, mas como dito previamente, não é simplesmente uma adaptação do mito, mas uma história original que não se desvia da essência de sua referência, e ainda apresenta um mergulho no pensamento e mundo nahua pré-hispânico. Ás vezes, é até mesmo bastante didático! Mas não vou me aprofundar mais, pois ainda estou estudando as possibilidades de publicar esse trabalho. Se conseguir, alguns de vocês podem ter a chance de ver por conta própria o que estou falando!

    Atualmente, esse projeto só está disponível na língua portuguesa (Brasil). Mas se houver interesse e demanda o suficiente, eu gostaria muito de traduzi-la para o inglês e espanhol! Só imprimi um único exemplar até o momento, e estou avaliando a possibilidade de efetivamente publicá-la - como vocês veem, meus recursos financeiros são limitados. Um grande problema, particularmente nos meus arredores (Brasil, ou sua região Sul-Sudeste) é que parece não haver apoio o suficiente para este tipo de trabalho (tanto por conta de seu tamanho, e custo produtivo, quanto pelo seu tema - infelizmente considerado "exótico", "erudito" ou impopular) entre editoras. Mas isso pode mudar, quem sabe.
Image details
Image size
2479x3572px 11.47 MB
© 2018 - 2021 Guiler-717
Comments3
Join the community to add your comment. Already a deviant? Log In
VBelleze's avatar

Muito bom, gostei demais

Guiler-717's avatar

Obrigado! Que bom que gostou

Guiler-717's avatar
Thanks! Glad you liked it!