literature

Na hora da bebedeira...

Deviation Actions

Ana-Darvulia's avatar
By
Published:
23 Comments
1K Views

Literature Text

Não sei, as palavras de súbito tornaram-se densas, tortas, gastas...
Com o tempo perdemos o amor, esquecemos as paixões, tornamos-nos animais procurando a carne, procurando o prazer, esquecendo os traços dos lábios que beijamos, esquecendo o brilho dos olhos que olhamos.
Perco-me nos labirintos ardentes das tuas entranhas do inferno
Sinto o teu desejo da carne, sinto a tua fome de prazer
Não quero, não sou, não posso
Não sou dia sem haver dia seguinte
Puxo o maço que está na tua mesa de cabeceira
Agarro o isqueiro, as minhas mãos tremem
Acendo um cigarro
Os corpos suados, os corpos nus, tal como nos dias que passaram
Com outras pessoas, outros rostos, outros gemidos...
A tua atenção dispara para a televisão
E eu sinto-me uma inclina na ponta inversa da cama
Encolho o corpo, primo os joelhos ao peito, meto as mãos a cabeça, tento ficar serena, sinto o corpo convulso querendo rebentar, sinto o peso do mundo na minha consciência, sinto o meu crânio a oprimir-se, sinto a minha pulsação até nos meus olhos fechados.
Tu transportas-te para outro mundo, e eu fico sozinha no calor da tarde
A brasa ofegante por entre os lençóis
Tento conter as lágrimas, tento agrafar as costuras para não se abrirem
Tu permaneces em silencio nesse mundo da televisão
Eu permaneço em silencio dentro da tua prisão
Porque me deste a prazeres, se o glorioso não tinhas para me dar?
O titulo é só porque escrevi em um estado alterado e com alcool no sangue
© 2009 - 2021 Ana-Darvulia
Comments23
Join the community to add your comment. Already a deviant? Log In
Estranh0's avatar
Cru, sente-se escrito em punho "trémulo".

Gosto, mesmo, muito.
Ana-Darvulia's avatar
Muitissimo obrigado, fico muito agradecida :heart:
soulpiece's avatar
hum, está bom o texto mas.. penso q o alcool funcionando como uma "alavanca" fez aumentar a velocidade da escrita e por isso se o texto fosse re-escrito num estado normal ainda podia ficar melhor, penso eu.
Ana-Darvulia's avatar
ahahah talvez, mas deixei assim em bruto, porque achei que devia deixa-lo como escrevi :heart:
RicardoSantos91's avatar
O texto está bastante coerente para quem estava bêbeda, apesar de alguns erros gramáticos as ideias estão bem explícitas e com umas metáforas bem interessantes. " tento agrafar as costuras para não se abrirem" sem dúvida a melhor.
DiogommAlves's avatar
(eu acho que estavas era com um bocadinho de nada de sangue no álcool)
Ana-Darvulia's avatar
ahaha um bocadinho so :$
DiogommAlves's avatar
De tudo o que já li dos teus trabalhos este é um dos mais bonitos, desesperantes, ofegante e conciso.
Por mais que custe a admitir o que tu retratas acontece demasiadas vezes...

O "amor" é como uma fogueira acesa, sem manutenção, sem atenção a pormenores, apaga-se, esmorece, ou então pega fogo ao que a rodeia.
É preciso conhecer o fogo e saber "brincar" com ele, enfiar troncos quando é preciso, botar-lhe agua quando necessário, e em ultimo caso ter um balde cheio de areia para a conseguir apagar.

Divagações, divagações...
Ana-Darvulia's avatar
Muito obrigado diogo :$

:heart:
OMG!


mas q bem!

[eu queria pôr aqui bonequinhos tds xpto, mas ñ percebo nada disto, limito-me a contemplar o q escreves!]

Parabéns*
Adoro!!!!
Ana-Darvulia's avatar
Oh! Muito obrigado, nao precisas de bonequinhos nenhuns.

Fico muito contente mesmo!

:heart:
MushMushi's avatar
Ana-Darvulia's avatar
FernandoLucas's avatar
historia divertida
:boogie:
Migueltreze's avatar
Em estados alterados por vezes saem-nos coisas interessantes. Intensas, estas palavras.
Ana-Darvulia's avatar
Mesmo! obrigado querido :heart:
HaruhiinWonderland's avatar
tento agrafar as costuras para não se abrirem
HaruhiinWonderland's avatar
tento agrafar as costuras para não se abrirem
Ana-Darvulia's avatar
pois tens.

E perder umas gorduras tambem.
Join the community to add your comment. Already a deviant? Log In